domingo, 27 de junho de 2010

Simca C 00.047 ...

A arte de colecionar automóveis antigos no Brasil evoluiu a tal ponto de se levar em consideração as informações contidas nas plaquetas e também o número de série dos carros. Esse quesito é muito comum no colecionismo exterior, mas tenho a franca impressão de que no Brasil, a importância à esses aspectos é bastante recente, talvez a difusão da internet seja o marco correto para essa disseminação do conceito.

Para ilustrar a questão, existe na internet um cadastro nacional de Simcas, com um total de 272 chassis. Esse cadastramento seria impossível anos atrás.

www.simca.com.br/cadastro/index.html

Daí, tanta relevância à descoberta do Alexandre Goerl. Ele descobriu recentemente no Rio Grande do Sul a Simca Chambord com o menor número de série que se tem notícia! É essa das fotos e pertence ao Jair Streck. Ainda com mecânica original e até bem preservada, ela é de chassis 00.047! A sobrevivente mais antiga em mais de 50.000 Simcas produzidas no Brasil.

As Simca também podem ser usadas como exemplo de outro fenômeno de evolução do antigomobilismo nacional. Até anos atrás, não existia rigor na fidelidade das cores de carros antigos, sendo esse quesito ignorado. Agora ele torna-se primordial em qualquer restauração. A cor dessa Simca Chambord 1959 é "Azul Noite de Verão". E ninguém se preocupava com isso até alguns anos atrás. Acredito que estamos a caminho da excelência em matéria de carros antigos.
guilhermedicin@hotmail.com

19 comentários:

  1. Isso é raridade! Talvez o Simca mais velho encontrado.
    Existem poucos carros 59 e este é bem integro, não falta nada, exceto as calotas, que nesse modelo eram raiadas.
    Até aquele retrovisor colocado na parte da frente do paralamas esquerdo, que era um acessório de época, está lá.
    O carro tem todos os detalhes originais.
    E uma bela combinação de cores, tambem originais.
    Romeu

    ResponderExcluir
  2. Esse merece um acompanhamento mui especial. Afinal é um velhinho.Descanso para ele.Até a placa é amarela!!!
    Restaura-lo não é muito fácil, não há peças genuinas deste ano.acho que somente uma limpeza especializada, talves uns pneus e calotas originais novos,mais uns detalhes e pronto.É só aprecia-lo para sempre.É isso aí.De:Juarez

    ResponderExcluir
  3. guinle, salvo engano esta denominação de cor é para automóveis de 1960, pós abril. e salvo melhor juízo, os simca 59 eram monocromáticos.

    ResponderExcluir
  4. Esse simca merece voltar a originalidade, pois achar um carro(ainda mais sendo antigo), com No de série menor que 1000 é coisa única no mundo antigomobilista hoje!!!
    O Simca Chambord foi o carro mais produzido, com cerca de 40 mil unidades, (o presidence não chegou a 900!)
    No entando pra mim eu prefiro ja o mais evoluído Chrysler-Esplanada GTX.

    ResponderExcluir
  5. Êita, quem falou foi a voz da autoridade sobre Simcas...!
    Guilherme, jogo meus búzios: ficaremos nesse primeiro momento, que você bem captou, mais competentes, exigentes e por isso mais chatos. Os carros ficarão melhores, serão preservados, mas corremos o risco de exarcebar nisso tudo e o movimento se tornar ainda mais restritivo, fechado. Mas é a ordem natural das coisas.
    Calma, acho que esse Simca têm que ser preservado mesmo, é a nossa história. Mas eu colocava a calota do 61, mais bonita! ;)
    Abraços, Nik.

    ResponderExcluir
  6. Nasser, de Simca em dois tons em 1959 me lembro logo daquela vermelha e marfim, que além de ser conhecida publicidade usada na época, foi também capa do manual. Pode-se dizer "aquela devia ser 'francesa'", ora, e essa 00.047 também! Daí me recordo também daquelas fotos incríveis que o Marcelo descobriu, mostrando o lançamento para a linha de de 1960. Não são datadas, mas acho coerente pensar que era antes de 1960 ou logo no comecinho. E ali já haviam Simca em dois tons.

    Nik, não concordo de forma alguma que o aumento da qualidade seja restritivo, muito pelo o contrário. Restaurar um carro original é a melhor forma inclusive por ser a maneira mais barata. Na hora da funilaria, o que é mais econômico, fazer tal igual era -reconstruir- ou inventar? O que demanda mais mão de obra, tempo e dinheiro? E assim vai... Para usar outro exemplo corriqueiro, no caso de um Fusca, o que é mais barato: rodas e pneus originais ou dessas rodas modernas com pneus largos?

    Nik, pode colocar as calotas da 61 sim, que ainda é a mesma. Raiadas.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  7. Olha,não sei de quanto foi a pintura,mas oportunamente posso perguntar ao dono ...no feeling diria que pelo tipo de saia e blusa a pintura é original.A verdade é que o RS é um celeiro de Simcas,ainda a muito a descobrir...
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. O Alexandre é implacável.....descolou mais uma surpresa : maravilha !
    O numero mais baixo que conhecia era pelos cento e lá vai , caso da preta da ex-Ulbra .
    Em 1959 certamente haviam Simcas de duas cores , mas este provavelmente já foi repintado , pois o que tenho aqui tabulado é um "azul escuro" , dito "bem escuro " .
    O azul Noite de Verão era menos escuro e entrou nos modelos 1962/1962 , três andorinhas .
    Calotas : caem as raiadas dos Chambord em novembro de 1961 :entram as turbinadas ainda em 1961 , segunda série ( ou 1962 , primeira ), ainda sem as três andorinhas ( foto do Salão SP).
    Especialíssima esta descoberta.....TATO

    ResponderExcluir
  9. Realmente consegui mais informações sobre meu Jeep 42 com a internet em dois meses, do que em doze anos de propriedade. E isso sem dúvida qualifica qualquer tipo de restauração e muitas vezes até salva de uma futura "hotficação", depois de se aprofundar na história de determinado modelo.
    Marcelo.

    ResponderExcluir
  10. Irei verificar mas um amigo meu teve uma simca chambord 59 que o chassi era menor que o dessa aí. Vou checar. O pior é que ele vende a simca em 2003 e ela desapareceu. Ja tentamos encontrar mas até agora nada. Ela era bege e muito íntegra.

    ResponderExcluir
  11. Guilherme, se as do 61 são iguais então eu colocaria uma de FNM! Ou as rodas do Capeta! Rsrsrs! ;)
    Olha, não tenho certeza se é mais barato não, sabe? Tái o Badolato que pode como poucos dizer se é mais barato restaurar um RT 71 ou transformá-lo em uma picape para a floricultura da esquina!
    Exagero meu, mas aposto que sempre será mais caro, por isso, mais restritivo. E melhor, muito melhor - claro. Porém mais caro. Não têm como ser diferente. Imagine lanternas para estes carros (trauma de ex-Dodgeiro...)? Nem me diga quanto. Sobre funilaria e pintura, é a parte mais barata, na minha opinião. Como quando se constrói uma casa, os acabamentos é que são caros, diz a minha experiência em casa e nas caranguejolas aí. E, como muitos carros nacionais não têm reposição, se não todos, a brincadeira fica muito, mas muito além das possibilidades de 99,9% dos entusiastas. Daí por que eu acho que o clube se fecha, certo?
    Mas isso é preocupação para outros, não para mim.
    Abraço, boa discussão esta. Nik.

    ResponderExcluir
  12. Essa eu não sabia.Simca(com"m") Chambord é uma evolução do Simca Versailles e pertencia a linha Vedette que surgiu na França em 1948.Mas o projeto é americano desenvolvido pela FORD, baseado nos modelos MERCURY.

    ResponderExcluir
  13. A primeira Simca produzida no Brasil saiu do forno dia 08 de janeiro de 1959.E a primeira centena faturada em 07 de março de 1959.
    Assim diz a literatura SIMCA.

    ResponderExcluir
  14. O Ford Vedette de 48 era baseado num projeto de carro pequeno desenvolvido durante a 2ª Guerra e não concretizado devido ao custo de produção e desinteresse do consumidor norteamericano. Embora de estilo semelhante ao Mercury 49-51, apresentava muitas diferenças em relação a esse modelo , especialmente a suspensão dianteira do tipo McPherson. Em 1955 foi substituido por um novo auto, desenhado nos EUA seguindo a linha Ford dos anos 52 a 56, usada tambem pelos britânicos Consul e Zephyr Mark II. No mesmo ano a fábrica francesa foi comprada pela Simca que continuou a produzir o mesmo carro, agora chamado Simca Vedette. Em 58 sofreu algumas alterações cosméticas (parabrisa panorâmico, paralamas mais altos etc) e foi rebatizado de Chambord. Essa versão é que tivemos no Brasil. AGB

    ResponderExcluir
  15. Meu pai é DONO DO SIMCA N°000131 DESDE 1989,achei muito interessante esse carro mas,as fotos me parecem antigas de mais,reparem no outro simca,no passat,nao sei se sao digitais,esse carro é REAL com certeza,e com certeza é original,muito interessante.Em uma cidade historica de minas existe um desmanche com 29 documentos de simca,nao duvido que possa surgir um ainda mais antigo...Ja teve gente que mandou propostas na travessa do carro de meu pai...

    ResponderExcluir
  16. Pessoal.
    Conheço o carro, só teve dois proprietários sendo que o proprietário atual o adquiriu em meados dos anos 80. A única repintura que tem é no paralama trazeiro direito (podem observar que a tonalidade do azul é mais clara que a do resto do carro). A placa ainda é amarela pois o dono mudou-se da cidade e só vem aqui de vez em quando, sendo que o carro está parado, guardado na garagem dele exatamente como nas fotos (somente com um monte e pó em cima), aguardando reforma junto com um bocado de peças originais. A foto é antiga sim mas não tanto, deve ter uns 10 anos e foi tirada numa das vezes que ele veio visitar seus parentes.

    ResponderExcluir
  17. Boa Tarde Amigo,

    MAs este carro está a venda ou não? Porque se o dono não restaurou ele até agora (20 anos depois da compra), acho que não restaura nunca mais.

    Abraços,

    Peter

    ResponderExcluir
  18. Peter, o dono tem outros carros (Esplanada, Alfa Romeo, etc..), para arrecadar dinheiro (e por falta de espaço), vendeu uma GTX euma Jangada que tinha, assim ele poderá iniciar a restauração de alguns. Falei esse dias com ele e acho que ele até vende o Simca pois não vai ter como restaurar todos mas só for para alguém que o queira para resataurá-lo conforme original e acho que não vende por menos de R$ 30.000,00 (pelo que conheço ele tem preferência pelo Esplanada que foi o primeiro carro que teve). O e-mail dele para contato é ja.streck@bol.com.br e seu nome é José Streck e não Jair.
    Grato.
    André.

    ResponderExcluir