domingo, 3 de novembro de 2013

Ford Customline 1954 ...


Ford Customline 1954, seguido por outro Ford Coupé largados sobre a calçada nos anos 70, em Curitiba -PR.

Foto enviada pelo Jailson Luiz Fagundes, e cedidas pelo Luir del Lago, que possui hoje dois Fords: 1952 e 1953.

guilhermedicin@hotmail.com

14 comentários:

  1. Se pudéssemos voltar no tempo e trazer os dois pra cá!

    ResponderExcluir
  2. Eu acho muito estranho quando vejo essas fotos onde mostram carros com menos de 20 anos de uso onde o estado de conservação dos mesmos em geral é muito ruim....comparado com os de hoje em dia. Exceto os Tempra,Tipo,Eclipse..etc.

    ResponderExcluir
  3. Não acho estranho não....Falta de peças,advento dos carros nacionais,mão de obra escassa e péssima,beberrões,difíceis de dirigir em trânsito pesado,momento do país(milagre econômico)crise do petróleo e já não valiam absolutamente nada......

    ResponderExcluir
  4. Não é estranho , não .
    Comecei "minhas comprinhas " em 1974 !
    Mas o que NÃO comprei é que me assombra as minhas noites.......
    Mercury SunValley 1954, Cadillac Eldorado Biarritz , mesmo ano , diversos autos ingleses e os ferro-velhos coalhados de autos . E de tudo !
    Foi chocante e durou algum tempo , pois não eram tão perecíveis como os nacionais que seguiram , justo os que sustituiram os antigos importados .
    Ora , assim se pode mais facilmente entender do porque a geração do Lee , Ogg , e muitos outros nossos gurus conseguiram verdadeiros Clássicos dez nos antes .
    E assim a historia vem se repetindo de geração a geração .

    Grande abraço.....do Tato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande relato Tato, não vivi esta época, mas então posso presumir que hoje 2013 podemos já fazer nossas "comprinhas" de nacionais e importados das décadas de 80 e 90 ? visando a sua escassez ?
      att,
      Barão

      Excluir
  5. Tato, o vosso relato é de dar água na boca! Mercury Sun Valley e Cadillac Eldorado no ferro velho!!!

    ResponderExcluir
  6. Esses carros não parecem estar simplesmente abandonados.Já deviam ser de algum entusiasta,pois o Coupé de trás,parece desmontado para uma restauração.Quem sabe o Customline não era um doador,para o mais raro???

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a foto ! Salvei uma Mercury Monterey hardtop 54, carroceria identica ao Ford de trás...

    ResponderExcluir
  8. Os Americanos importados do começo dos 50's já tinha sofrido muito em meados dos 70's.Não costumavam quebrar,tinham mecânicas robustas que funcionavam anos a fio com mínima manutenção,mas quando davam problemas era uma dor de cabeça achar determinadas peças,principalmente as de suspensão que sempre sofreram com nosso abençoado calçamento.Tudo bem que nos Ferro Velhos eles eram abundantes,mas as peças vitais geralmente já não existiam ou estavam comprometidas pelo desgaste.A grande maioria já tinha sofrido reforma de carroceria uma ou duas vezes,circulavam pessimamente pintados,''gordos'' de massa e com os cromados pintados de prata e sem as calotas.Os interiores já não eram os originais,substituídos por plástico baratos nas portas,teto e bancos.Era a sobrevida de quem precisava se locomover em carros baratos.Foi uma pena pois muitos exemplares se perderam por aí.Comprei uma Nomad 1957 em 1971 bem razoável e um Kaiser 1951 salvei de um Ferro Velho em 1975,ambos comigo até hoje.Abraços Walter,Campinas - SP

    ResponderExcluir
  9. Nessa época eram trocados por geladeiras, máquinas de lavar, bicicletas... triste, mas é verdade.
    Hoje em dia, com a internet (e-bay), é fácil comprar peças para carros de 30 anos atrás (contados de hoje).
    Naquela época, era impossível....

    ResponderExcluir
  10. Essa foto foi tirada em frente à casa do Sr. Horlando Dal Lago, atualmente é a Igreja Bom Jesus do Portão, na Rua João Bettega.Não tenho certeza, mas o Ford de trás ainda está na família. É um Ford Custom 1953.

    ResponderExcluir
  11. lindo carro gosto de carroes antigo

    ResponderExcluir
  12. O Ford 1954 é um Customline cupê, já o que está atrás é um Ford Crestline Victoria 53. Está comigo até hoje.

    ResponderExcluir