terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Zero quilômetro uai ...!

Na imagem acima, uma Agência Fiat na cidade de Juiz de Fora-MG. Os três Fiat são do modelo 520.
"A Companhia Pantaleone Arcuri, além de construtora, representava os automóveis Fiat em Juiz de Fora nos anos 20. Veja que, no centro, há um modelo com placa de "Experiência"! Outra curiosidade a ser observada é o cartaz acima, onde se lê: "Companhia Industrial e Constructora Pantaleone Arcuri Agente Autorisada FIAT", com pinturas que estilizam um carro de corrida, à esquerda, e um "aeroplano" sobrevoando o Rio de Janeiro, à direita. Ainda, as duas colunas do prédio foram enfeitadas com as bandeiras do Brasil e do então Reino da Itália. Importante registrar que Pantaleone Arcuri foi um dos imigrantes italianos de maior destaque na história de Juiz de Fora, onde fundou a companhia que levou seu nome, responsável pela construção de boa parte do que compõe hoje o patrimônio histórico-arquitetônico da cidade, com notáveis exemplares como o prédio da Prefeitura e o Cine-Theatro Central."


"Agência Morris Oxford - Belo Horizonte/MG 1949Agência Morris Oxford - Belo Horizonte/MG 1949 Essa Agência de Belo Horizonte, que ficava na Praça Raul Soares, era uma filial da matriz no Rio de Janeiro. Pelo Morris Oxford em exposição se trata do modelo do ano 1949, basicamente foi todo reestilizado, ganhando essa aparência inspirada nos Chevrolets do final dos anos 40. Esse modelo vai até 1953, sendo muito bem comercializado pelo Brasil a fora. Até hoje é relativamente comum se encontrar esses Morris em exposições de automóveis antigos. Para os detalistas, que gostam das sutilizas das restaurações originais, reparem no filete nas rodas e também no friso ressaltado vertical que corre toda a corroceria do Morris. Alem do Morris Oxford a representante comercializava no Brasil o Wolseley 6/80. Um auto muito similar ao Oxford, porém com a frente maior e diferente, com motorização também melhor de 6 cilindros com dois carburadores SU. Seu interior era mais luxuoso, com muitos detalhes em madeira nobre, novos instrumentos de painel e outros detalhes de luxo e conforto exclusivos do modelo. Não se tem notícia concreta de que um desses Wolseley tenha sobrevivido na sua forma original. Tem-se notícia de um Wolseley 1952, preto, originalmente do Rio de Janeiro, em excelente estado, que foi de um colecionador carioca durante os anos 80. Esse carro sumiu e não se sabe se foi exportado ou estaria nas mãos de algum outro colecionador que aposentou o mesmo ficando fora das vistas dos colecionadores. Ainda existia o Morris Six, de 1949 a 1954, tb com motor de 6 cilindros porém de um carburador só. Seria um intermediário entre o Oxford e o Wolseley, porém não se tem notícia de que teria sido comercializado no Brasil. Se existiu algum provavelmente foi importado por particular fora da rede de representantes. A próxima foto, fiz questão de colocar em caráter excepcional, pois se trata de uma adesivo de época, que vinha em raros Morris Oxoford e Wolseley, colocados pela própria fábrica. Descobri esse carro recentemente numa exposição em Lindóia com essa rara foto no seu vidro traseiro."



Agência Ford/ Mercury/Lincoln - Belo Horizonte-MG - 1951.Na foto abaixo, Agência Austin em Belo Horizonte-MG. À esquerda, um A-70, à direita um conversível feito em alumínio: Austin Sport.



Essas fantásticas imagens vieram do blog fotolog.terra.com.br/fotosantigas:27 e também o texto entre aspas.Com essas fotos, ilustra-se um ambiente muitíssimo interessante nas capitais mineiras, as concessionárias de carros importados.
guilhermedicin@hotmail.com

3 comentários:

  1. A primeira foto, onde está escrito "Pantaleone Arcuri" era concessionária em Juiz de Fora e não Belo Horizonte como está descrito. E Juiz de Fora era a principal cidade de Minas na época.

    ResponderExcluir
  2. PREZADO GUILHERME,
    MEU PAI TEVE UM WOLSELEY 1952 PRETO QUE FOI IMPORTADO POR CELSO DA ROCHA MIRANDA COM 6 CILINDROS E 02 CARBURADORES VU BALÃO. FOI NELE QUE APRENDI A DIRIGIR COM 12 ANOS. O UNICO INCONVENIENTE ERA A MARCHA-RÉ, POIS A ALAVANCA TINHA QUE EMPURRAR PARA BAIXO E DEPOIS DAR UM TRANCO PARA MAIS ABAIXO AINDA E FICAVA NA COLUNA.
    FOI UM EXCELENTE CARRO À ÉPOCA. A PLACA DELE ERA RJ 137373

    ResponderExcluir